top of page

Um Caso Singular



Por Gustavo Corção, publicado n’o Globo, em 18-07-1974


VEIO-ME AGORA À MENTE o caso mais singular de minha longa coleção de polêmicas. Naquele tempo os adversários contra os quais me batia no "Diário de Notícias" e no "Estado de São Paulo" eram os maus governos do Brasil, que além de o arruinarem ainda cometeram o crime maior de abrir as portas aos inimigos da Civilização. O referido caso singular ocorreu no Governo de Juscelino Kubitschek a propósito da instalação da hidrelétrica de Três Marias. Numa demonstração pomposamente feita na televisão, em fotos, gráficos e cifras, o Presidente Juscelino empulhou o respeitável público: não há, aliás, maneira mais fácil de empulhar do que com fotografias e cifras. No caso de uma realização hidrelétrica há várias cifras em jogo com significações aparentemente idênticas. Uma delas é a que exprime a potência total explorável de uma determinada cachoeira: há desde o início um total que a natureza oferece antes do primeiro parafuso colocado por mão de homem. Seja 450 000 kw essa primeira cifra. A última cifra a figurar em qualquer programa de utilização e distribuição de energia será essa capacidade primeira natural tornada finalmente capacidade última realizada.


ANTES DISSO PODEM SER PROGRAMADAS instalações progressivas e parciais. Naquela data trabalhava-se para instalar em Três Marias um alternador de 63.000 kw, e era duvidosa a terminação dessa parte da obra por causa da tirania que a Meta-Principal exercia sobre todas as demais. O locutor, adestrado, perguntou então ao Presidente:


— Presidente, qual é o potencial total de Três Marias?

— 450.000 kilowatts.

— E quando estará terminado?

— Impreterivelmente em 31 de dezembro deste ano.


NO DIA SEGUINTE, na minha coluna eu escrevi o artigo em que, desde o título, dizia: O PRESIDENTE MENTIU, e no qual entrava em explicações técnicas como as que aqui esbocei. No outro dia os jornais publicavam um artigo contra G. C. parecido com o que anda sendo hoje difundido pela Conferência dos Religiosos do Brasil por todas as casas religiosas. Sim, a mesma página inteira do "Jornal do Brasil", que qualquer pessoa de bom senso imaginava ter envergonhado seus infelizes autores, ao contrário dessa suposição, parece tê-los enchido de glória, porque continuam a difundi-la como quem está muito satisfeito com o que escreveu.


ORA, A COLUNA LANÇADA CONTRA G. C. naquele tempo era igualmente caluniosa, injuriosa, e até arrematava, se não me falha a memória, com referências à honestidade profissional do engenheiro que nada empreitou em Brasília. Passam-se os meses. Quase no fim do ano estava a terminar meu almoço quando o telefone chamou-me. Era uma voz feminina, secretária, eficiente, que me transmitia o desejo do dr. X se entrevistar comigo. Marquei a hora no Centro Dom Vital onde durante quinze anos fiz plantão às tardes para todos que desejavam conhecer uma pista do Reino de Deus. Que me quereria o dr. X cujo nome trazia-me ressonâncias de prestígios. Às quatro e cinco bateu-me à porta de meu minúsculo e saudoso escritório.


— Entre.


ENTROU UM CAVALHEIRO DE MEIA IDADE, bem vestido, e visivelmente habituado à afabilidade e ao destaque. Relanceou um rápido olhar com que mediu meu mundo, e instalou-se à vontade na cadeira que lhe oferecia. Num silêncio de alguns segundos entreolhamo-nos e eu senti que meu interlocutor desejava contar com minha simpatia. Encorajei-o com um gesto e ele, pausadamente. pronunciou:


— Vim aqui para lhe pedir perdão.


DIZIA ISTO COM FIRMEZA e sem perder o ar de comando e importância que lhe assentava bem na cabeça grisalha e leonina. Depois de um silêncio em que hesitou um pouco, explicou-se:


- O Sr. se lembra do artigo que escreveu sobre Três Marias depois do programa de Tv do Presidente?


LEMBREI-ME, E TOMADO PELO GOSTO DA POLÊMICA começava a explicar minha argumentação, mas o dr. X estendeu a mão espalmada, num gesto fatigado:


- Pelo amor de Deus! Eu estou cansado de saber que o Sr. tem razão.

- Então não entendo...

- Fui eu que escrevi o artigo do dia seguinte, e é isto que me atormenta a consciência há quase um ano. Não o conheço mas sei que é um homem honesto. Devo, todavia, dizer-lhe que as injúrias pessoais das últimas linhas não foram escritas por mim. As outras foram, e é por isto que estou aqui.


DETEVE-SE. VI QUE ERA SINCERO e que lhe doía ter escrito contra a consciência e que até seu natural porte fidalgo atestava o esforço que fizera para essa separação, mas... Voltei-me para a janela e vendo que ele acompanhava meu olhar estendi a mão para a gente que passava lá em baixo. O povo. O público. E, então, balbuciei:


- Meu caro senhor, nós ambos somos atados, somos ambos homens públicos e nos devemos àqueles desconhecidos. O perdão é Deus que dá; mas a satisfação também não sou eu que a exijo — são eles. A eles nos devemos.


VI QUE EMPALIDECIA. E levantando-se respondeu:


- Isto eu não posso fazer. Está acima de minhas forças. Agradeço-lhe a acolhida e espero não merecer o seu desprezo.


O LEITOR ESTARÁ PERGUNTANDO por que não publiquei eu no dia seguinte tão precioso desmentido. Parece-me claro, leitor, que eu não tinha o direito de completar o ato moral do dr. X. Além disso, se o fizesse, tudo indica que os prestígios do cargo prevaleceriam, e que o meu adversário simplesmente me desmentiria.


QUANDO A PORTA FECHOU-SE sobre as imponentes espáduas ligeiramente curvadas, fiz-lhe para o que desse e viesse um sinal da cruz. E rezei três Ave-Marias para que a Santíssima Virgem nos desse, a nós ambos, a coragem de sempre defender a verdade.

Recent Posts

See All

The invisible and silent persecution

By His Excellency Bishop Thomas Aquinas, O.S.B. 9th March 2024 + PAX The invisible and silent persecution In his book The Century of Hell (page 402), in the chapter entitled "The French Disaster", Cor

BISHOP DE CASTRO MAYER

By H.E. Bishop Thomas Aquinas, O.S.B. What would Bishop de Castro Mayer say about the current situation of Tradition? What would he say about the desire or willingness to come to an agreement that we

コメント


*Articles published by third parties do not necessarily reflect the opinion of the Monastery of Santa Cruz and their publication is for informative purposes only.

The total or partial reproduction of texts, photos, illustrations or any other content on this website by any means is prohibited without the prior authorization of its author/creator or administrator, in accordance with LAW No. 9,610, of February 19, 1998.

bottom of page